Menos água: desperdício menor e mais eficiência!

May 23, 2016

Por Shingiro Tokudome, Gerente de Divisão na MC-Bauchemie

 

Em tempos de falta de água e escassez de recursos naturais, é preciso fazer uso de toda e qualquer tecnologia que possa ajudar a reverter ou minimizar esta situação. E o desperdício de água pode vir de lugares dos quais sequer imaginamos, muito além do banho ou de uma torneira aberta.

 

A cidade de São Paulo, por exemplo, desperdiça uma média de 19% da água tratada, tendo como principal causa a deterioração da tubulação. Outro agente responsável pela utilização de um enorme volume de água é a construção civil. De acordo com o CBCS – Comitê Brasileiro de Construção Sustentável, este é um dos setores que mais consome água potável. No caso das áreas urbanizadas, absorve cerca de 50% dos recursos hídricos fornecidos para a região.

 

No entanto, economizar água, nestas duas instâncias é uma realidade palpável e viável. No caso das tubulações urbanas, já estão à disposição do mercado, produtos e equipamentos capazes de reduzir o desperdício de recurso hídrico na cidade. São soluções que visam recuperar as tubulações deterioradas, seja pelo tempo, pela oxidação, corrosão ou encrustamento (sedimentação de matéria). Estas são alterações comuns que podem deteriorar o meio ambiente e, ainda, nos expor a elementos nocivos.

 

As tubulações da capital têm em média 30 anos. O que para um sistema hidráulico é muito tempo e, dessa forma, aumenta o índice de desperdício. Para solucionar este déficit, o ideal seria reabilitar as tubulações, evitando a evasão de água. Mas como fazer isso? Muito simples. Hoje já é possível aplicar um produto especialmente desenvolvido para esta finalidade, sem a necessidade de remoção da tubulação e sem agredir o meio ambiente, por meio do MND (Método Não Destrutivo).

 

Para aplicação da resina, é necessária a total limpeza da superfície, pois na sujeira pode haver a presença de agentes contaminantes, o que prejudica a aderência e, consequentemente, a qualidade da água. Para tanto, utiliza-se o Sistema CIPP (Cured in Place Pipe), através dos métodos de impregnação ou preenchimento. A resina é pigmentada e pode ser utilizado como controle para a impregnação homogênea e completa da manga de feltro.

 

O mesmo se aplica quando o assunto é economia de água na construção civil. Nesse caso, aproveita-se a utilização de um aditivo especial aplicado ao concreto. Estes produtos foram desenvolvidos com o objetivo de criar uma peça perfeita, com melhor trabalhabilidade e utilizando menos água. Pode parecer irrelevante, no entanto, considerando uma cidade como São Paulo, que está em constante crescimento, perceberemos a diferença que este tipo de solução pode representar.

 

Por exemplo, quando consideramos apenas um metro cúbico de concreto, notamos que são necessários a utilização de 210 litros de água. Com a aplicação dos aditivos, este número cai para 180 litros, para a mesma quantidade de concreto. Se multiplicarmos esse número pela enorme quantidade de empreendimentos que começam todos os dias nessa metrópole, você perceberá quantos milhões de litros de água são economizados. Outro benefício dos aditivos é a contribuição em relação ao meio ambiente, já que se utilizam menos recursos hídricos e naturais, como calcário e argila, além da diminuição de emissão de CO².

 

"... quando consideramos apenas um metro cúbico de concreto, notamos que são necessários a utilização de 210 litros de água. Com a aplicação dos aditivos, este número cai para 180 litros, para a mesma quantidade de concreto."

Saki Moysidis, MC-Bauchemie
abs 123 abs 123 abs 123 abs 123 abs 123 abs 123 abs 123